25.4.11

Nos dias de Chuva

Atravessou a rua em direção a Padaria do Seu Teodoro, num dia de inverno, debaixo do seu guarda-chuva amarelo, e ia atenta ao mundo e as pessoas. Tentava decifrar todos os rostos, todas as feições. Estaria esse feliz? Por que motivo este outro está com a testa franzida? Deve ser por que tomou café sem leite. Ou talvez a sua carona demorou, demorou, demorou, e ele teve que andar debaixo desse guarda-chuva, sozinho. Mas, eu acho que  deve ter sido mesmo o café sem leite. Café sem leite definitivamente entristece as pessoas.
Mais alguns passos adiante, - não muitos, porque a padaria ficava logo na esquina da sua casa, mas esse era o único lugar mais longe que poderia ir sozinha, por isso, aproveitava cada segundo - outras tentativas de decifração de rostos, e Glorinha pensa numa outra alternativa.

- Um dia de inverno é um dia de solidão. - pensou Glorinha - Dia em que as pessoas se encolhem debaixo de agasalhos, e se dão um abraço apertado, com os lábios tremendo... Mas não tem ninguém ali nem pra abraçar nem pra beijar. Um dia de inverno é um dia de solidão - repetiu Glorinha.

E foi, olhando agora pra cada rosto e encontrando neles a falta de alguém, a falta do bom dia que só é quentinho quando se está debaixo do cobertor, das meias nos pés que o mantém aquecido durante a noite, do café levado até a cama junto com uma rosa. Um café com leite que essas pessoas não tomaram.

7 comentários:

Babi Leão disse...

Vim correndo quando vi o tweet dizendo que vc tinha atualizado, li, parei e suspirei! Que docinho! Amo café com leite!

Maiara disse...

Tão doce esse teu texto... Senti como se todas as palavras me dessem bom dia ao mesmo tempo, e em seguida me convidassem para entrar; tomar um café com leite, porque acabo de confessar a elas que tenho fugido dessa solidão de dia frio.

Beijo grande moça, tuas palavras encantam. ^^

Yuri Padilha disse...

Seus textos são doces. Quando sai o livro? Só discordo do café sem leite. Eu não fico triste. ;*

Poeta da Colina disse...

O dia de inverno talvez seja o único momento de estar consigo.

Gaby Soncini disse...

Estou muito sensível, aqui chove, faz frio, e esse texto me fez chorar.

Doce e intenso.

Beijos.

GABRIEL, gustavo disse...

Eu entendia Glorinha quando era mais novo: café só com leite, senão, é realmente triste. Agora, tanto faz; a vida é assim, faz a gente expandir o [des]gosto.

Mas, ela sabe o que é bom: dormir de meia.

Jaci Macedo disse...

Quando os dias frios vêm e quando a gente não tem ninguém tudo fica mais escuro do que o normal mesmo. Texto encantador, coração.

beijos.