2.10.10

carta ao meu amigo Orlando

Querido Orlando,

Se é mesmo possível haver uma medição de tempo, eu desconfio. O relógio é só uma invenção do homem na tentativa de poder enxergar a passagem do tempo, e de alguma maneira, achar que ele pode estar nos números finitos. Mas quando eu seguro a tua mão, Orlando, e os nossos dedos se cruzam num vai e vem de caminhos perdidos, o tempo se esvai por entre as brechas e escorrega pelos braços, cotovelos... O tempo se esvai e some. Não no mesmo caminho da água. Ele entra nos poros e se aloja. E quando há muito tempo na sua pele, vai se tornando cada vez mais difícil pra ele se alojar de forma que você se sinta confortável. Então, na tentativa de salvar sua própria pele, a fim de que ela simplesmente não arrebente, ele se junta num cantinho, e vai juntando, e formando rugas, e se detendo nos cantos dos olhos, da boca, das mãos...

E eu fico aqui pensando se não há uma outra forma de termos tempo e não criarmos rugas. E se o tempo pudesse ser bebido, qual seria a forma que ele encontraria de sair, e criar uma enorme nuvem para então chover tempo novamente. A nuvem que, algum dia, desceria furiosa, castigando janelas e portas, enquanto eu tentasse salvar, no colo do meu vestido, a mais bonita de minhas histórias. E se o tempo nos regasse, se envelheceríamos de vez ou se impressionantemente teríamos ,enfim, a fórmula da juventude.

E ainda penso nisso: eu sentada naquela cadeira, folheando as idades passadas escritas no álbum de fotografia ou nas cartas a ti escritas. E penso, meu querido Orlando, com muita certeza, que qualquer tempo que exista entre as palavras e os corpos, entre o texto e a pele, ou entre os tecidos e as teias, não pode apagar da minha memória os teu olhos que um dia encontrei. E foi por eles, que um dia abri as janelas do meu quarto, e essas cartas comecei a te escrever.

14 comentários:

Andressa Tavares, disse...

Não tenho palavras!
trás uma vontade maior de ler a cada palavra lida, lindo o texto!
belíssimo texto!

Marina disse...

Lindo. Lindo. Lindo.
Parabéns Rute! Continuaescrevendo textos maravilhosos, como sempre.
Beijo (no ombro) haha.

Rodolpho Padovani disse...

Bela carta, tomara que o amigo Orlando entenda todo esse carinho descrito em cada linha e que o tempo traga mais cartas...

Bjs =)

Gaby Soncini disse...

Que lindo *.*
Meus olhos cheio de lágrimas aqui.

Belíssimo Rute!

Grande Beijo.

Calango! disse...

"E penso, meu querido Orlando, com muita certeza, que qualquer tempo que exista entre as palavras e os corpos, entre o texto e a pele, ou entre os tecidos e as teias, não pode apagar da minha memória os teu olhos de pêssego que um dia encontrei." - Uma das coisas mais belas que ja li. Parabéns!

Jaci Macedo disse...

Um texto extremamente lindo. Quase me comoveu, de verdade. Parabéns.

beijos, coração.

Babi Leão disse...

Fazia tempo que não passava aqui, mas voltei e a reação nao foi outra ! Sempre me encontro entre essas palavras lindas, depois de me perder várias vezes ! Eu sou a criança de 3 anos e seus textos a curiosa lagartixa na parede!
Fico babando mesmoooo !

Linds, lindos, lindos!
Beijooo docinhoo :*

GABRIEL, gustavo disse...

Olhos atemporais.

Eu, ΞĐU disse...

Oi, Rute...
Muuito bom o seu blog, suas idéias e seu bom gosto. Parabéns pelo trabalho.
Estou te seguindo.
Beijos no coração,
EDU (http://edurjedu.blogspot.com)

João Lenjob disse...

Folear as idades!! Adorei!!
Tem cinco poemas novos em meu blog http://lenjob.blogspot.com e lhe apresento o Castelo do Poeta, http://castelodopoeta.blogspot.com, um super canal interativo de arte. Me fale o que achou, viu?? Abaixo poema.

João Lenjob

Na Nossa Tela
João Lenjob

Se quiser o céu numa tela
Eu o trago até você
Eu lhe dou pincel, tinta e uma aquarela
E as cores, dá você
Venho com estrelas, cometas e uma lua bela
Mas o sol, traga você.

Dance no céu, pintando como bailarina
Que sou platéia pra você
Seja a pintura mais pura, doce menina
Que sou menino pra você
Dê-me o amor da arte mais divina
E do amor faço você.

Ame menina, na nossa tela
Aquarela, eu e você

Se por acaso alguma cor lhe falta
Eu faço em verso pra você
Viro então um poeta astronauta
E fico no céu pra você
Enquanto pinta a nossa pauta
A poesia é feita pra você.

Rodrigo disse...

Nossa..
Como vc escreve bem.
Parabéns!
:]

Marina disse...

Obrigada Rute :)
Suas palavras são sempre inspiradoras. Tanto posts quanto comentários!
Beijos.

Filipe de Andrade disse...

Wowwwwwwww,
e essa faceta tua eu ainda não conhecia, mas...

O que foi isso?
:O

Você escreve muito bem!
:P

Filipe de Andrade disse...

Woooooooww,
essa faceta tua eu ainda não conhecia...

O que foi isso, hein?! :O

Você escreve muito bem! Parabéns! :P