14.7.10

A tempestade

Foi num dia em que o céu estava coberto pelas nuvens violentas, e ela teve muito medo do mundo. O mundo que se empunha sério, com toda a sua matemática, toda a sua lógica, todos os seus conceitos e regras. O mundo que não admitia mudanças. É assim que é, e terá que ser. Raquel encolheu-se no canto do seu quarto e procurou pelas prateleiras algo que não via há tempo. Não era simplesmente algo que ocupava um lugar ali, era algo que lhe trazia segurança, uma espécie de refúgio. Pousou os olhos nas prateleiras agora preenchidas por livros que na maioria das vezes só lhe davam breves momentos de euforia. E que, ao invés de estreitar os abismos que existia entre ela e seus sonhos, só abriam uma fenda muito mais profunda. Tão profunda que já não se podia mais ver o fim.

Perdida entre devaneios, mergulhou nas águas de agosto de um ano muito remoto. Era seu aniversário, e pela primeira vez quis escolher o seu presente. Não que o tivesse em mente. Queria encontrar um brinquedo que a escolhesse. Já havia lido em muitos livros (hábito que cultivara desde a infância) histórias incríveis de bonecos que falavam, andavam, sentiam como gente. Não acreditava nesse mundo encantado, mas sabia que no seu mundo ideial tudo poderia acontecer. Entrou numa loja. Foi então que seus olhos encontraram os olhos de um boneco de lata. O boneco estava muito escondido, e ela logo percebeu que ele também guardava muitos medos no seu interior de lata. Então eles se escolheram. O boneco passou a ser da menina, da mesma forma que ele a tinha como sua.

E por se pertencerem, não existia entre os dois nenhum tipo de egoísmo, ciúmes, ou essas coisas ruins que, quando há uma fresta, impedem que o amor encontre um lugar entre dois. Porque o amor só precisa disso: dois corações encostados um no outro, dispostos a sentirem e compartilharem tudo o que há dentro deles. Desde então, Raquel nunca mais se sentiu só, porque sabia que quando chegasse cansada da escola, de tanto correr e de tanto ser caçoada, poderia contar com seu boneco de lata, que a esperava com um grande sorriso metálico na sua prateleira. Encontrou refúgio nele para todos os momentos, inclusive nos dias em que o céu estava coberto por nuvens violentas, e ela tinha muito medo do mundo. Desde que encontrou seu homem de ferro, não teve mais medo de nada. Nem quando trovejou ou os raios faiscaram ferozes. Nem quando o céu fez menção de desabar. Depois desse dia, havia sempre um boneco muito reluzente, tão reluzente quando um raio vindo do céu, empunhando o seu carinho na sutileza de um abraço frio.

10 comentários:

Baaah disse...

Pontos fracos são complexos, mas as soluções podem ser as mais simples possíveis!Muitas vezes basta uma mão estendida e um coração a ajudar.
E quantas vezes um ser inanimado tem mais vida do que muitos po ai?
Quantas vezes eles parecem ter mais sensibilidade, mais sentimento d ehumanização do que muitos humanos?
Um sorriso de lata, um coração de metal, que só precisa de uma pessoa real para serem de fato uma pessoa só.Se completando, e se ajudando.É isso que improta.


Gostei muito!!!
Adoro bonecos de todos os tipos mas principalmente fantoche.
E história bem escritas e detalhadas conseguem transformar esse brinquedo tão simples em mágico.

Virei de novo, po'deixar.=)
hehe'

Beijos!
=*

GABRIEL, gustavo disse...

É...
eles estavam certos:

bonecos de lata têm coração.

Babi Leão disse...

Esse texto significou tanto pra mim que eu tive vontade até de embrulha-lo e faze-lo de meu "boneco de lata " . rs
Amor é assim, a gente nao idealiza, simplesmente encontra... seja ele como for...

ai que lindo.. parabens ruute :)

Babi Leão disse...

Esse texto significou tanto pra mim que eu tive vontade até de embrulha-lo e faze-lo de meu "boneco de lata " . rs
Amor é assim, a gente nao idealiza, simplesmente encontra... seja ele como for...

ai que lindo.. parabens ruute :)

Lettys M. disse...

aah,amei *--*
beeijos ;***

desneurando13.blogspot.com

DELUXE disse...

Oii tudo bem? Adoreei seu blog *-*
tô passando pra deixar nossa marquinha e lhe convidar para conhecer nosso o nosso.. (:
beeijOs

Deluxe

Thizi disse...

é sempre bom encontrar um refugio.

Vanessa Monique disse...

Lindo Rute *___*
apaixonante.
:*

Jaci Macedo disse...

Lindo.
Todas as coisas são capazes de amar, depende só de quem oferece amor primeiro. É do boneco de lata que eu sinto mais falta.

beijos, coração.

Rodolpho Padovani disse...

Muitas pessoas não tem um boneco de lata para se refugiar e tantas outras não servem como esse boneco q está sempre ali só esperando pra ajudar...
Muito bom...

Bjs =)