21.7.10

Glorinha, me diz,

quando a gente não aguenta mais, o que acontece? A gente explode? Ou simplesmente flutua de tão cheio que está? Sim, porque tudo no mundo é limitado. Não vê que nosso corpo tem pele é pra isso mesmo? Pra conter o sangue que corre nas veias, pra dizer pro coração que ele só pode chegar até ali, e ai da gente se ele quiser sair do lugar!

Eu não queria entender, Glorinha, a lógica dos pássaros que, quando saem da gaiola, não voltam nunca. Eu só não queria entender porque eu tinha medo. Tinha medo do passarinho voltar a qualquer hora e dizer que saiu porque simplesmente uma gaiola não é o maior limite pra se viver. Se há um céu tão grande, onde cabe Sol, Lua, estrelas e um arco-íris com tantas cores, porque é que a gente insiste em ficar nesse chão cinza e frio, onde, se não fosse a terra e as sementes, seria tudo tão triste, tão cinza, tão morto...? 

O meu passarinho, apesar de longe, e talvez exatamente por isso, me ensinou: quando a dor é muito grande, ela extrapola o intagível e atinge músculos e tendões para só depois evaporar pelos poros. Depois que isso acontecer, e você só estiver bem cheio de vazio, encha o peito com mais de 3 mil suspiros, quando estiver bem levinho, solte as amarra e flutue.

12 comentários:

Babi Leão disse...

Nao lembro onde que eu li que a gente é como aqueles colchoes d'água que parece que estao prestes a explodir a qualquer momento! Acho que se encaixa ai, ou nao ?

Até em confissoes e desabafos as suas palavras ficam doces e confortam qualquer um !

beijinhoooo !

Babi Leão disse...

Nao lembro onde que eu li que a gente é como aqueles colchoes d'água que parece que estao prestes a explodir a qualquer momento! Acho que se encaixa ai, ou nao ?

Até em confissoes e desabafos as suas palavras ficam doces e confortam qualquer um !

beijinhoooo !

GABRIEL, gustavo disse...

Ah, eu pego essas coisinhas, e, sabe as tais sementes? eu faço como que jogo elas para os passarinhos.

Deixo eles comerem e se divertirem.

Rodolpho Padovani disse...

A dor vem e vai, é assim... as vezes a gaiola é pequena demais para o pássaro que ela prende!

Adoro os textos da Glorinha, rs

Bjs =)

Jaci Macedo disse...

Com o tempo, a gente aprende a lidar com isso. Ou pelo menos aprende a amenizar as sequelas que a dor deixa na gente. Sei que parece meio clichê dizer isso, mas tudo passa. Nem mesmo essa vida é para sempre, então porque esses sentimentos deveriam ser?

Beijos, coração (:

Thizi disse...

ia ser meto interessante se a gente explodisse quando enchesse

Sara Carneiro disse...

[aaaa]salve, rutinha! rs. mais uma vez você me emocionou com seu texto. parabéns. o blog tá melhor à cada dia, flor.
gostei demais!
beijos.

Vanessa Monique disse...

Há,a minha tendência é explodir e vai cacos p tudo q é lado...auhsahuhs
@vanimonique
:*

Anônimo disse...

nossa , adorei !

Mariana Felipe disse...

meu Deus, que lindo esse texto !

Adrieli disse...

sei lá, tem horas que parece que explodir-se seria a melhor solução. será?
mas, poxa, deixando minha depressão de lado, haha, eu amei o texto!

Sara Carneiro disse...

Oi rutinha. Bom, só quero que saiba que finalmente postei algo novo no blog, embora não tenha ficado bom : /
Se quiser, aparece lá pra ver. Estou esperando novidades aqui no Roupas no varal. Beijos, flor *-*


http://sara-rsc.blogspot.com/