20.5.10

Pensando com meus botões

Estive pensando: A gente nasce e morre, um filme começa e termina (com final feliz), as coisas se principiam e se findam. As coisas se esgotam. Tudo que a gente vê tem tempo, duração, limite. E deve haver uma fonte saciável, mas limitada, no que se diz respeito as nossas ideias. E quando chega esse fim, a gente percebe que o poço não era fundo suficiente, que a linha foi pouca...
Mas não seria o fim, um novo começo?
Não seria a linha de chegada uma nova linha de partida?
O outro lado do rio não é o começo de uma nova terra?
Vida e morte.
A água acabou. A pipa voou.
Só não achei fim ainda pra o céu e pra o amor.

6 comentários:

Rodolpho Padovani disse...

O fim é um recomeço. Uma maneira de deixar algo para trás e começar outro.
Belo texto!

E fiquei feliz de ver meu selinho aqui no seu blog. Parabéns =)

Bjs...
Gostei daqui...

GABRIEL, gustavo disse...

É porque o céu e o amor são feitos de essências eternas.

Se a essência é eterna, ela dura. Mas, as vezes, não duram as coisas que imitam as essências.

O fim é essencial para o começo.

Calango! disse...

Gostei da reflexão. Muito boa. Mas a ausência de um fim ja não seria uma espécie de fim?

Polyana disse...

Sabe, Rute, eu creio que o céu e o amor não tem fim, porque ambos provém de Deus; Este sim, tem sua existência infindável.

Gamei fácil nesse final, belo texto menina.

Ana Caroline disse...

Amei o texto! "Só não achei fim ainda pra o céu e pra o amor".
E nunca irá achar! Beijo ..Tô te seguindo, me segue?!

Tatsch , disse...

"Só não achei fim ainda pra o céu e pra o amor". *-*